sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

A HERESIA OCULTA ATRÁS DAS CAMPANHAS E CORRENTES DA “PROSPERIDADE”:




Há um movimento nas igrejas que substitui o perdão de pecados e a paz com Deus por meio de Cristo, as verdades eternas, por um evangelho de solução de problemas cotidianos, proclamando saúde e prosperidade plena, o que atrai muito o povo no contexto brasileiro.

Essa compreensão defeituosa e distinta do evangelho tem originado cristãos nominais que negam as doutrinas básicas da Bíblia e que alteraram a mensagem cristã expressando com eloquência uma cultura de satisfazer as necessidades e esperanças das pessoas ou seja, dando às pessoas àquilo que querem ouvir.

Este evangelho não exige muito dos ouvintes para oferecerem tudo; precisa apenas de uma generosa oferta, de forma que forma uma grande igreja em pouco tempo.

O grande problema de nossa espiritualidade pentecostal, é que qualquer pessoa pode profetizar bênçãos, visões e revelações, criando espaço para orientações espirituais fora da Bíblia, como Kenneth Hagin. Ele, em 1918 afirmou que o cristão deve confessar em alta voz seus pedidos e nunca duvidar que tenham sido respondidos e uma vez feita a oração, o fiel deve afirmar constantemente a bênção até que surja a prova e isso é uma heresia chamada CONFISSÃO POSITIVA.

Esta doutrina afirma que o homem pode controlar o material por meio do mundo espiritual, bastando apenas conhecimento e fé. Esta heresia está entrando na igreja cristã fazendo-nos acreditar que nossa fé persistente decidirá nossa saúde e prosperidade, querendo reunir um pensamento positivo de uso da mente para controlar a realidade no sentido de que de certa forma, poderemos mudar a atitude de Deus para nos abençoar.

Dessa forma, quem seguir a Cristo, gozará sempre de saúde e prosperidade toda a vida, pois os cristãos são conscientes de um super poder na esfera espiritual que os farão sempre vencedores e isso é uma visão estranha ao cristianismo.

Este método de ensino adotado pelas igrejas que promovem verdadeiros shows emocionais em seus cultos, fermentando membros, templos e poder querem conferir autoridade espiritual, saúde e prosperidade e confissão positiva como um “avivamento” ou nova interpretação do Evangelho.

Se baseiam em profetas de hoje como porta-vozes de Deus, trazendo a autoridade de Deus, tendo visões e revelando o que Deus lhes disse, afirmando que não é da vontade de Deus nem as doenças nem os problemas financeiros e que a igreja deve combatê-las.

Mas Paulo se gloriava em sua fraqueza (2 Co.12:7) e Timóteo, Epafrodito e Trófimo, homens de Deus estiveram doentes (1 Tm.5:23; Fp.2:27; 2 Tm.4:20).

A heresia moderna diz que a cura está à espera de todos e que não somos curados pelo desconhecimento desse direito e há gente doente porque não pede ajuda e que pecado não confessado bloqueia o poder da cura e assim, satan não é expulso porque a pessoa não teve a confissão positiva de expulsar o diabo.

Isso parece até bíblico, mas será que o espírito de miséria paira sobre as pessoas e que se esse demônio sair, imediatamente as pessoas ficarão ricas?
A heresia diz que se um cristão ficar doente é porque existe problema espiritual com ele, seja por falta de fé ou pecado ou por domínio do diabo ou por não conhecer seus direitos.

A heresia também diz que se o cristão não prospera financeiramente é porque não estão dando o suficiente para a obra de Deus e a regra de ouro é dê mais para receber mais.

Por que será que a maioria dos cristãos do mundo são pobres?
Desse jeito, saímos da graça e voltamos para a Lei, onde a bênção é proporcional à oferta da pessoa. Essa riqueza e saúde automática implica que há uma obrigação a mais acima da fé, do batismo, da oração, da vida piedosa; falam que precisamos ter o controle da fé para obrigarmos Deus a nos abençoar.

A heresia proclama que Cristo tirou as maldições, a doença e a pobreza e por outro lado, trouxe a bênção de Abraão pela prosperidade financeira, como que doença e pobreza sejam parte da maldição da lei de Moisés que Cristo aboliu.

A heresia diz que a fé não espera simplesmente em Deus, mas exige direitos pela FORÇA da oração, em nome de Jesus, onde o nosso EU é quem decide o que quer.

Assim, o nome de Jesus virou um meio de Deus atender nossas orações automáticas e que nada nos será negado, não precisando nós decidirmos pessoalmente mais para Deus e apenas reivindicar bênçãos.

A heresia afirma que dizer algo como “seja feita a vontade de Deus” é dúvida e é do demônio e que há procedimentos para serem seguidos para se obter a bênção de Deus, pois afirmam que o mundo está sujeito a forças espirituais que devemos manipular e controlar por meio de nossa fé.

Hoje em dia, tudo virou milagre; comprar carro, apartamento, ter emprego, ganhar na loto, casar, etc. Supondo, mesmo que haja milagres, é Deus quem opera maravilhas e não a igreja que opera maravilhas.

Hoje em dia, está parecendo supermercado; as pessoas vão, pagam e esperam receber em troca a satisfação de suas necessidades. Se o ato de dar segue ao de receber cem vezes mais, faz o reino de Deus ser uma roleta de cassino, onde a oração é a mágica que opera forças espirituais e isso é chamado de magia.

O nome de Jesus não é fórmula mágica para liberar um poder secreto (At.19:13-18); não gera temor. Além disso, Deus disse Não a Paulo, a Jesus e a João Batista, referindo-se ao espinho na carne, ao passar o cálice e ao ser solto da prisão respectivamente. A fé não exige, não se conta, não é mérito ou investimento financeiro; ela não cria uma realidade, pois se fosse assim, plantaria uma moeda de 1 real e crendo, nasceria, contra a natureza, pé de moedas!

ERROS DOUTRINÁRIOS VERIFICADOS NESTAS IGREJAS-EMPRESAS:

As correntes ou campanhas das igrejas da prosperidade ensinam inconscientemente alguns erros doutrinários: * Dá idéia às pessoas de que se não fizerem os dias completos, não receberão a bênção; isso gera uma idéia de que Deus opera exclusivamente através do método das reuniões, dos dias, do local, do pastor, da oração do pastor, gerando uma nova forma de pensar como que o mediador entre Deus e os homens é a campanha, o pastor, a oração, a igreja e isso gera idolatria (eclesiolatria)

* Dá idéia de que Deus não faz nada de graça para ninguém, pois o dinheiro passa a ser a nova modalidade de expiação ou elo justificador entre Deus e os homens, como que complementando o sacrifício de Jesus na cruz, como que pagando nosso direito à bênção, como que novo sacrifício diante de Deus e isso é heresia, como as indulgências do purgatório.

* Dá idéia de que a igreja (denominação) é a igreja representante de Deus na terra como posto do correio espiritual ou agência de troca de bênçãos, fazendo com que os crentes justifiquem um denominacionalismo, favorecendo divisões no corpo de Cristo e idolatria à denominação, num exclusivismo anticristão da bênção de Deus.

* Dá idéia de que somente o pastor é sacerdote e encarregado de abençoar o povo, fazendo esquecer que todos somos reino de sacerdotes e que é nossa obrigação orar uns pelos outros, gerando idolatria ao pastor, omissão nos crentes e disserviço, pois os crentes se acharão clientes e exigirão o serviço de atendimento espiritual, buscando os encarregados, já que pagam por isso.

* Dá idéia de que não se precisa orar pelos enfermos, evangelizar, adorar ou servir a Deus com a vida, pois o mais interessante vem vindo, que é a revelação, a cura, a bênção e a prosperidade, gerando materialismo, acepção de pessoas e estrelismo na igreja, onde ninguém mais quer servir a Deus, trabalhando nos serviços essenciais e pequenos, pois já deve ter gente terceirizada paga para isso.

* Usa idéia de envelopes ou coisas materiais consagrados, dá idéia de que, conforme diz a Nova Era, Deus é energia, positiva e negativa, há uma energização divina sobre o objeto, favorecendo a bênção ou favorecimento de Deus, sobre quem pegar tal envelope. Não fica a mesma coisa da medalha católica benta, da pulseira da macumba ofertada aos guias, da mesa branca  energizada pelos espíritas ou consagrar o copo com água, envelope, ou coisa que o valha, não fica parecendo amuleto? Deus só se revelou através de Cristo, conforme a Bíblia mesmo afirma.

* Dá idéia de que Deus, igreja, bíblia, é apenas uma meretriz, a quem se deve procurar quando está com vontade e além disso, se escolhe aonde ir tentar a sorte; se nas igrejas evangélicas, Leitura da Cigana, ou outras. Não podemos idolatrar o púlpito, a Bíblia, a Igreja, o templo ou qualquer coisa, afinal, o altar mesmo é o coração do pregador na hora de falar a mensagem. Ademais, como iremos ver, esse padrão de obras repetitivas, fruto de contribuição financeira por tentativas não é fé (fé não se mede nem se conta), contando os dias que participaram das correntes e campanhas,

Fonte: Discipulado sem fronteiras